Associação Pirotecnia agastada com cancelamento espetáculos na Passagem Ano

A Associação Portuguesa de Industriais de Pirotecnia e Explosivos (APIPE) manifestou, em carta dirigida ao Presidente da República, a preocupação e angústia no setor da pirotecnia com o prognóstico de um massivo cancelamento dos espetáculos pirotécnicos de Passagem de Ano.

“Esta é uma medida que se afigura desproporcionada e excessiva, que vem colocar, de forma injustificada, em causa a sobrevivência deste sector de atividade económica. O massivo cancelamento destes espetáculos, determinado (na esmagadora maioria dos casos) por decisões das autarquias locais, veio, contudo, apagar esta esperança dos operadores do sector, não obstante a desproporcionalidade, injustificação e falta de razoabilidade das descritas medidas”, referem os responsáveis da APIPE, com sede na freguesia de Santão, concelho de Felgueiras, numa nota enviada para a comunicação social.

“A ajuda do Estado a este sector de atividade económica – que, direta e indiretamente, constitui a fonte de sustento de dezenas de milhares de pessoas – não pode resumir-se a meros apoios pontuais e esporádicos que, em todo o caso, são claramente insuficientes. A pirotecnia nacional é uma indústria feita de arte e tradição, que muito deve orgulhar o património cultural português, como o provam o prestígio e admiração que esta atividade lusa conquistou e continua a conquistar em todo o Mundo”, argumentam, contestando que “a pirotecnia nacional não merece continuar a ser votada ao ostracismo, esquecimento e abandono por parte dos poderes públicos”.

A Associação Portuguesa de Industriais de Pirotecnia e Explosivos, cujo presidente da direção é o empresário local Carlos Macedo, da empresa Macedos Pirotecnia, realça que “os festejos da Passagem de Ano eram a última das chamadas ‘épocas altas’ de pirotecnia que podiam assegurar a sobrevivência do sector”.

“Contrariamente à mensagem falsa que insistentemente se pretende fazer passar, um espetáculo pirotécnico não tem que provocar ajuntamento ou aglomeração de pessoas, sendo eventos visualizáveis a grandes distâncias, que permitem que a ele assistam espetadores bem distribuídos e afastados”, argumentam, alertando que “o sector económico ligado à pirotecnia se encontra, neste momento, à beira do colapso e na iminência de encerrar a sua atividade”.

“A APIPE, interpretando o sentir e a reclamação de todos os agentes económicos do sector, reivindica e exige a intervenção urgente do poder político, no sentido de definir um plano de intervenção efetivo e eficaz para defesa da continuidade deste ramo atividade que corresponde a uma arte profundamente enraizadas na cultura portuguesa”, concluem.


Partilhe com os seus seguidores

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on skype
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

PUB


 

Linha do Comércio

A Linha do Comércio tem como objetivo potenciar oportunidades de negócio, divulgar produtos e serviços das empresas locais.

Simultaneamente, esta plataforma pretende possibilitar o desenvolvimento de ações concertadas de promoção e dinamização de eventos.

Com esta presença virtual coletiva espera-se que haja um reforço da capacidade de cooperação entre os empresários locais. O Nome Linha é associado ao Comboio, meio de essencial importância para ligar gentes e terras.

É com este carácter agregador que pretendemos ligar o comércio e divulgá-lo daqui para o Mundo.

Loading...

Novidades

Áudios Recentes